11/10/2018

Câmara federal: obesidade em debate

Para a Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia, as pessoas com índice de massa corporal superior a 30 são consideradas obesas

Segundo a última pesquisa de vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas, feita pelo Ministério da Saúde, 54% da população das capitais brasileiras estão com excesso de peso. A boa notícia da pesquisa é que houve uma redução de 52% no consumo de refrigerantes e de bebidas açucaradas entre 2007 e 2017.

A Câmara dos Deputados analisa propostas que obrigam a indústria alimentícia a informar claramente, nas embalagens, se os produtos contêm muito carboidrato, sal, açúcar, adoçante, gordura saturada e trans (PL 5522/16 e apensados).

A proposta pode ajudar a reduzir a obesidade e diversas doenças relacionadas a ela.

“Diabetes, hipertensão, aumento de colesterol, apneia do sono, acúmulo de gordura no fígado. A obesidade também está altamente relacionada aos índices de infarto do miocárdio e acidente vascular cerebral. Está, inclusive, associada a alguns tipos de câncer. Em crianças, atrapalha o desenvolvimento dos hormônios, do crescimento e o desenvolvimento sexual. Pode causar depressão e ansiedade”, enumera a gerente técnica do Conselho Regional de Nutrição, Janaína Marques.

Acordo com a indústria

Em outra frente de prevenção da obesidade, o Ministério da Saúde elabora um acordo com a indústria alimentícia para reduzir o nível de açúcar em vários produtos, como iogurtes, achocolatados, sucos em caixinha, refrigerantes, bolos e biscoitos. A redução será gradual, assim como ocorreu recentemente no acordo para a redução dos níveis de sal dos produtos.

Fonte: Agência Câmara




  • logocofen
  • BannerLateralAnjosEnfermagem-207x117
  • Munean
  • e-dimensionamento-207x117