13/03/2020

Saiba como se proteger e ajudar a combater o coronavírus: veja nota do COREN-MT

Em MT, há casos suspeitos da doença nos municípios de Glória D'Oeste, Alto Taquari e Sorriso

O Conselho Regional de Enfermagem de Mato Grosso (Coren-MT) está divulgando um alerta aos mais de 29 mil enfermeiros, técnicos de enfermagem e auxiliares de enfermagem inscritos no Estado, com recomendações sobre os cuidados para evitar o contágio pelo Covid – 19 e para saber mais sobre a doença, auxiliando em seu combate.

A nota do Coren-MT é baseada em texto similar publicado pelo (Cofen) nesta quinta-feira (12) e traça as características da doença, seus sintomas e diferentes tipos de caso, além de destacar a importância do profissional de enfermagem na contenção.

Confira o texto:

NOTA INFORMATIVA CORONAVÍRUS COVID – 19

CONSIDERANDO a Nota Técnica publicada pelo Conselho Federal de Enfermagem (Cofen), a qual dá conta da existência de casos confirmados de pessoas infectadas com o novo Coronavírus (COVID-19), existindo riscos de elevados níveis de contaminação da população em geral.

CONSIDERANDO que esta nota aponta a necessidade de reforçar as medidas educativas, de esclarecimentos e de proteção a todos os profissionais de enfermagem e a população em geral.

CONSIDERANDO que o Cofen constituiu o Comitê Gestor de Crise (CGC) no âmbito do Sistema Cofen/Conselhos Regionais de Enfermagem com o objetivo de gerenciar questões inerentes às crises relacionadas à Pandemia do novo Coronavírus (COVID-19), oficialmente declarada pela Organização Mundial de Saúde (OMS), acompanhando diariamente as situações relacionadas a esta pandemia, visando baixar recomendações e estratégias de atuação emergenciais, considerando as previsões do Ministério da Saúde e das Autoridades Sanitárias.

CONSIDERANDO a relevância dos profissionais de Enfermagem na detecção e avaliação de casos suspeitos, por sua capacidade técnica, por representar maioria de quantitativo de profissionais, além de ser a única categoria profissional que está nas 24 horas junto ao paciente;

CONSIDERANDO o cenário atual relacionado ao coronavirus (COVID 19) no Brasil e no mundo;

O COREN MT vem orientar aos profissionais de enfermagem por meio desta nota.

Os coronavírus causam infecções respiratórias em seres humanos e em animais. Geralmente, são doenças respiratórias leves a moderadas, semelhantes a um resfriado comum. Já o novo coronavírus, é uma nova cepa do vírus (COVID-19) que foi notificada em humanos pela primeira vez na cidade de Wuhan, na província de Hubei, na China. E, no início de janeiro, o COVID-19 foi identificado como o vírus causador da doença pelas autoridades chinesas.

Atualmente, segundo o Ministério da Saúde, há no Brasil, casos confirmados em oito estados: Alagoas (1), Bahia (2), Minas Gerais (1), Espírito Santo (1), Rio de Janeiro (13), São Paulo (30), Rio Grande do Sul (2) e Distrito Federal (2).

Em Mato Grosso, há casos suspeitos da doença nos municípios de Glória D’Oeste, Alto Taquari e Sorriso. Cuiabá e outras cidades são pólos econômicos e recebem grande fluxo de pessoas indo e vindo do exterior, devendo os profissionais atentarem aos vínculos epidemiológicos.

Os sinais e sintomas clínicos do COVID-19 são principalmente respiratórios, semelhantes a um resfriado. Podem, também, causar infecção do trato respiratório inferior, como as pneumonias graves resultando em mortes. Sua letalidade, porém, é inferior quando comparada a de outros agentes causadores de doenças respiratórias agudas.

Destaca-se aqui que a vacina influenza e pneumocócica são extremamente importantes na prevenção da gripe, causada pelos vírus influenza, e das infecções causadas pela bactéria pneumococo, mas não protegem e nem aumentam a resistência para a infecção por qualquer tipo de coronavírus. Entretanto a vacinação para a influenza nos grupos prioritários contribui no descarte de casos suspeitos.

Entende-se como caso suspeito de COVID-19

Situação 1: febre E pelo menos um sinal ou sintoma respiratório (tosse, dificuldade para respirar, batimento das asas nasais, entre outros) E histórico de viagem para área com transmissão local, de acordo com a Organização Mundial da Saúde, nos 14 dias anteriores ao aparecimento dos sinais ou sintomas; OU

Situação 2: febre E pelo menos um sinal ou sintoma respiratório (tosse, dificuldade para respirar, batimento das asas nasais, entre outros) E contato próximo* de caso suspeito para o novo coronavírus (2019-nCoV) nos 14 dias anteriores ao aparecimento dos sinais ou sintomas;  OU

Situação 3: febre OU pelo menos um sinal ou sintoma respiratório (tosse, dificuldade para respirar, batimento das asas nasais, entre outros) E contato próximo* de caso confirmado de novo coronavírus (2019-nCoV) em laboratório nos 14 dias anteriores ao aparecimento dos sinais ou sintomas.

* Contato próximo é definido como: estar a aproximadamente 2 metros ou menos da pessoa com suspeita de caso por novo coronavírus, dentro da mesma sala ou área de atendimento por um período prolongado, sem uso de equipamento de proteção individual (EPI). O contato próximo pode incluir: cuidar, morar, visitar ou compartilhar uma área ou sala de espera de assistência médica ou, ainda, nos casos de contato direto com fluidos corporais, enquanto não estiver usando o EPI recomendado.

Sendo assim, o CONSELHO FEDERAL DE ENFERMAGEM e o CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE MATO GROSSO recomendam aos profissionais:

  • Realizar higiene das mãos antes e depois do contato com pacientes ou material suspeito e antes de colocar e remover os Equipamentos Proteção Individual (EPI);
  • Evitar exposições desnecessárias entre pacientes, profissionais de saúde e visitantes dos serviços de saúde;
  • Estimular a adesão às demais medidas de controle de infecção institucionais e dos órgãos governamentais (Anvisa, Secretarias e Ministério da Saúde);
  • Apoiar e orientar medidas de prevenção e controle para o COVID-19;
  • Reforçar a importância da comunicação e notificação imediata de casos suspeitos para infecção humana pelo COVID-19;
  • Manter-se atualizado a respeito dos níveis de alerta para poder intervir no controle e prevenção deste agravo;
  • Estimular a Equipe de Enfermagem a manter-se atualizada sobre o cenário global e nacional da infecção humana pelo COVID-19;
  • Orientar e apoiar o uso, remoção e descarte de Equipamentos de Proteção Individual para os profissionais da equipe de enfermagem de acordo com o protocolo de manejo clínico para a infecção humana pelo COVID-19, conforme recomendação da Anvisa.

A Câmara Técnica de Atenção Primária à Saúde/COREN-MT recomenda que sejam reforçadas as orientações do Ministério da Saúde nos cuidados básicos para reduzir o risco geral de contrair ou transmitir infecções respiratórias agudas, incluindo o COVID-19, sendo elas:

  • Evitar contato próximo com pessoas que sofrem de infecções respiratórias agudas;
  • Realizar lavagem frequente das mãos, especialmente após contato direto com pessoas doentes ou com o meio ambiente;
  • Utilizar lenço descartável para higiene nasal;
  • Cobrir nariz e boca quando espirrar ou tossir;
  • Evitar tocar mucosas de olhos, nariz e boca;
  • Higienizar as mãos após tossir ou espirrar;
  • Não compartilhar objetos de uso pessoal, como talheres, pratos, copos ou garrafas;
  • Manter os ambientes bem ventilados;
  • Evitar contato próximo a pessoas que apresentem sinais ou sintomas da doença;
  • Evitar contato próximo com animais selvagens e animais doentes em fazendas ou criações.

Aos profissionais da saúde, o MS orienta que no atendimento desses quadros “devem utilizar medidas de precaução padrão, de contato e de gotículas (máscara cirúrgica, luvas, avental não estéril e óculos de proteção).

Para a realização de procedimentos que gerem aerossolização de secreções respiratórias como intubação, aspiração de vias aéreas ou indução de escarro, deverá ser utilizado precaução por aerossóis, com uso de máscara N95.”

Para as Unidades Básicas de saúde o município de Cuiabá, a Diretoria de Atenção Primária estabeleceu um fluxograma para a demanda espontânea que chegar às UBSs.

Os pacientes que procurarem o serviço de saúde apresentando sintomas de gripe, será acolhido pela equipe e equipe de enfermagem para triagem. O paciente apresentando uma das 3 situações de caso suspeito, deverá ser levado para uma sala dentro da unidade (sala essa que funcionará como isolamento provisório). O mesmo deverá ser atendido pelo médico da unidade, caso não evidenciado suspeito, adotar conduta conforme o quadro clínico.

Se confirmado quadro clínico suspeito a notificação deverá ser imediata ligando diretamente para a vigilância epidemiológica. O quadro clínico suspeito será avaliado e classificado como grave, moderado ou leve. Para casos leves será indicado o isolamento domiciliar, onde o paciente será acompanhado por uma Equipe Multiprofissional de Atenção domiciliar (EMAD), nesse caso serão adotadas medidas de monitoramento e acompanhamento do caso.

Os casos moderados a referência será direta para as policlínicas e UPAs. Já os quadros graves a referência será direta para o Pronto Socorro Municipal de Cuiabá ligando diretamente na sala vermelha/NIR e assim acionar a regulação de urgência.

Telefones para contato:

  • Vigilância Epidemiológica: 3617-1485/3617-1685 ( Dias úteis) e 99206-8618
  • Sala Vermelha PSMC: 3617-7808
  • Núcleo de Regulação Interna NIR: 3617-7821

 

 

 

 

 

 

 

 




  • logocofen
  • BannerLateralAnjosEnfermagem-207x117
  • Munean
  • e-dimensionamento-207x117

CLIQUE AQUI