28/11/2019

Conselho Internacional cobra ética no recrutamento de enfermeiros

Recrutamento associado à escassez de profissionais tende a agravar falta de enfermeiros

Genebra, Suíça, 21 de novembro de 2019 – O Conselho Internacional de Enfermagem (CIE) insta os governos a monitorar e publicar dados sobre a migração de enfermeiros e a aderir aos padrões da Organização Mundial da Saúde (OMS) para recrutamento ético internacional.

Enquanto o mundo enfrenta uma escassez potencialmente catastrófica de profissionais de enfermagem na próxima década, o CIE publicou uma declaração de posição sobre mobilidade profissional internacional e recrutamento ético de enfermeiros.

O diretor executivo da CIE, Howard Catton, disse: “A Organização Mundial da Saúde está prevendo uma escassez global de nove milhões de enfermeiras e parteiras até 2030 e já podemos ver os terríveis efeitos da falta de profissionais de enfermagem em muitos países ao redor do mundo. Desequilíbrios no financiamento entre países ricos e pobres significa que há um risco aumentado de recrutamento internacional sem escrúpulos, que não segue os princípios éticos e deixa sistemas de saúde vulneráveis destituídos de seu bem mais valioso: profissionais de enfermagem qualificados. É crucial que todos os países treinem e retenham mais seus próprios enfermeiros e implementem práticas éticas de recrutamento quando empregam profissionais do exterior. A mobilidade profissional é importante para muitos enfermeiros: permite-lhes promover seu desenvolvimento profissional, maximizar suas habilidades e qualificações e cumprir seus objetivos pessoais de carreira. E o ponto positivo disso é que eles prestam assistência de enfermagem em países onde há escassez de pessoal de enfermagem adequadamente qualificado. Entretanto, tem havido muitos casos de enfermeiros com educação internacional sendo maltratadas por seus empregadores, e alguns países que mal podem se dar ao luxo de perder suas enfermeiras ficaram com números insuficientes devido ao recrutamento agressivo do exterior.” Catton falou sobre o assunto no 20º Fórum Asiático da Força de Trabalho da CIE, organizado pela Associação Coreana de Enfermeiras em Seul, em 21 de novembro. O evento contou com a participação de enfermeiros de 12 Associações Nacionais de Enfermagem, representando os oito milhões de enfermeiros que vivem na região.

Em 2006, o CIE e o serviço certificador de profissionais migrantes CGFNS International Inc estabeleceram o Centro Internacional sobre Migração de Enfermeiros (ICNM) para desenvolver, promover, disseminar pesquisas, políticas e informações sobre migração global de enfermeiros e recursos humanos em enfermagem. Este centro de recursos apresenta notícias, recursos e publicações destinadas a formuladores de políticas, planejadores e profissionais.

A declaração de posição da CIE insta os governos e os empregadores a abordarem a escassez de força de trabalho treinando e educando enfermeiros suficientes para atender às necessidades de saúde de seu país e a adotar políticas apropriadas ao contratar enfermeiros de outros países.

Catton disse que o objetivo da OMS de Cobertura Universal de Saúde somente será alcançado se os governos fornecerem uma força de trabalho de enfermagem sustentável, devidamente educada e remunerada pelo trabalho que os enfermeiros realizam, acrescentando: “Qualquer recrutamento internacional deve aderir ao código de prática global da OMS em questões internacionais. recrutamento e siga as orientações do CIE sobre o bem-estar e direitos trabalhistas dos enfermeiros e os requisitos dos países que estão fornecendo enfermeiros para o resto do mundo. “

Fonte: Conselho Internacional de Enfermagem




  • logocofen
  • BannerLateralAnjosEnfermagem-207x117
  • Munean
  • e-dimensionamento-207x117