25/06/2019

OMS afirma que enfermagem é essencial na saúde mental

Por que desenvolver recursos de enfermagem para a saúde mental?

Os folhetos informativos das Matérias de Enfermagem fornecem informações de referência rápida e informações internacionais a respeito da importância da enfermagem na assistência ao cuidado em saúde mental. As perspectivas da profissão de enfermagem sobre questões atuais de saúde mental e sociais.

Por que desenvolver recursos de enfermagem para a saúde mental?

A saúde mental é crucial para o bem-estar dos indivíduos, sociedades e países. A saúde mental é mais do que a ausência de transtornos mentais. Envolve um estado de bem-estar em que os indivíduos reconhecem suas habilidades, são capazes de lidar com as tensões normais da vida, trabalham produtivamente e contribuem para a comunidade.

Problemas de saúde mental são comuns: 450 milhões de pessoas sofrem de um problema mental ou comportamental e quase um milhão de pessoas cometem suicídio todos os anos. Depressão, transtornos por uso de álcool, esquizofrenia e transtorno bipolar estão entre as dez principais causas de incapacidade em todo o mundo.

O tratamento não está disponível para a maioria das pessoas. Apesar da existência de tratamentos eficazes, a esmagadora maioria das pessoas com transtorno mental não tem acesso a tratamentos eficazes.

Profissionais de Enfermagem são importantes provedores de tratamento e cuidados. Na maioria dos países, os enfermeiros são o maior grupo de profissionais que prestam cuidados de saúde mental em serviços de saúde primários e especializados. No entanto, em muitos países, a formação psiquiátrica dos enfermeiros é inadequada e o seu papel na prestação de cuidados de saúde mental é subdesenvolvido. Enfermeiros adequadamente treinados podem contribuir para a promoção da saúde mental e para a prevenção e tratamento de transtornos mentais.

Quais são as prioridades?

1. Atenção Primária à Saúde

A OMS recomenda que os cuidados de saúde mental sejam parte ou integrados nos cuidados de saúde primários. No entanto, muitos enfermeiros não têm o conhecimento e as habilidades para identificar e tratar transtornos mentais. A educação é necessária para melhorar o reconhecimento dos transtornos mentais na atenção primária à saúde, aumentar o encaminhamento para provedores de saúde mais especializados e melhorar o início das terapias de suporte. Além disso, a supervisão contínua e o apoio de serviços especializados de saúde mental são necessários para ajudar os enfermeiros a cuidar de pessoas com necessidades de saúde mental mais complexas.

2. Educação em Enfermagem

A saúde mental deve ser incorporada na educação básica de enfermagem e obstetrícia. Os conceitos de saúde mental devem ser introduzidos precocemente e devem fazer parte dos currículos em andamento. Além disso, deve haver oportunidades para a aprendizagem experiencial. A educação continuada também é necessária para ajudar os enfermeiros a desenvolver seus conhecimentos e habilidades, promover mudanças nas atitudes e crenças e reorientá-los dos modelos de custódia da atenção à saúde mental para o tratamento baseado na comunidade. Programas de educação especializados ou pós-básicos para enfermeiros devem ser estabelecidos para garantir que os enfermeiros sejam capazes de fornecer serviços para pessoas com transtornos mentais graves e fornecer apoio aos prestadores de atenção primária.

As áreas a serem incluídas na formação de enfermeiros dependerão das necessidades do país, do papel antecipado dos enfermeiros, das competências atuais e dos recursos disponíveis. A lista a seguir destina-se a fornecer orientação geral ao desenvolver programas de educação:

Advocacia, avaliação de transtornos mentais, habilidades de comunicação, enfermagem em saúde mental comunitária, autocuidado emocional (isto é, enfermeiras cuidando de sua própria saúde mental), avaliação e pesquisa, questões legais e éticas (incluindo compreensão dos direitos das pessoas com transtornos mentais) de emergências (por exemplo, comportamento suicida, violência), gestão de medicação psicotrópica, cuidados de saúde mental em emergências humanitárias, promoção da saúde mental, modelos de saúde pública de saúde mental, estigma e discriminação, abuso de substâncias, tratamento de transtornos mentais, trabalho em equipe, trabalhar com os usuários do serviço e suas famílias, trabalhando com grupos específicos (por exemplo, crianças e adolescentes, idosos). É importante garantir que os programas educacionais incluam oportunidades práticas para desenvolver habilidades.

3. Envolver os enfermeiros no desenvolvimento de políticas de saúde mental

As políticas de saúde mental definem uma visão para melhorar a saúde mental e reduzir a carga de transtornos mentais em uma população. As políticas também estabelecem um modelo de ação baseado em valores, princípios e objetivos acordados.

Enfermeiros são partes interessadas importantes que devem ser consultadas e ativamente envolvidas no desenvolvimento de políticas e planos. O desenvolvimento dos recursos de enfermagem para a saúde mental deve ser coordenado por meio de uma política de saúde mental. A Ficha informativa da OMS “Políticas de saúde mental e desenvolvimento de serviços” fornece mais informações sobre o desenvolvimento e implementação de políticas e planos.

4. Informação para tomada de decisão

Embora haja um corpo crescente de pesquisas documentando boas práticas, muitos países têm pouca ou nenhuma informação sobre o tamanho, a composição ou a qualidade de sua força de trabalho de enfermagem para a saúde mental e nenhum conhecimento de seu impacto sobre os resultados de saúde. É importante que os países reúnam essas informações para melhor informar o desenvolvimento de políticas de saúde mental e o papel da enfermagem na prestação de cuidados de saúde mental.

A OMS e o Conselho Internacional de Enfermagem estão desenvolvendo uma pesquisa para coletar informações sobre a enfermagem psiquiátrica em países do mundo todo.

Referências

International Council of Nurses (2002), ICN Position Statement on Mental Health.
http://www.icn.ch.
World Health Organization (2001). Atlas: Mental Health Resources in the World
2001. Geneva, World Health Organization.
World Health Organization (2001). The World Health Report 2001 – Mental Health:
New Understanding, New Hope. Geneva, World Health Organization.
World Health Organization (2003), Factsheet ‘Mental health policies and service
development’ http://www.who.int/mental_health/resources/publications/en/.
World Health Organization (2003), Investing in Mental Health WHO: Geneva.
World Health Organization (2003). WHO Mental Health Policy and Service
Guidance Package: Organization of Services for Mental Health. Geneva: World
Health Organization.

Fonte: Site SouEnfermagem




  • logocofen
  • BannerLateralAnjosEnfermagem-207x117
  • Munean
  • e-dimensionamento-207x117